Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As birras da mãe

Venturas e desventuras de uma tripeira que rumou a sul. As histórias da filha, da mulher e da mãe.

Feliz dia da criança, crianças!

Feliz dia da criança, crianças!.jpg

 

As crianças encontram felicidade nas coisas simples da vida como um abraço apertado da mãe ou o tempo que o pai lhe dedica para lhe contar histórias. 

As crianças vivem apaixonadamente, vivendo cada momento como único e irrepetível. Tudo é saboreado até ao ínfimo pormenor.

As crianças perdoam com facilidade e não guardam rancor. 

As crianças são verdadeiras e directas. São puras!

As crianças riem às gargalhadas, até ficarem com soluços.

As crianças não sentem vergonha de chorar quando estão tristes e frustradas, o que lhes garante o abrigo de um colo repleto de amor.

As crianças correm de pés descalços num chão aquecido pelo sol ou na relva molhada pelo orvalho.

As crianças encontram magia em todas as suas descobertas. Acreditam nas fadas, no pai natal e no coelhinho da Páscoa. O seu mundo é um lugar lindo e mágico.

As crianças fazem amigos com facilidade, mesmo antes de sequer saberem o seu nome, sem olharem para a cores, credos ou extratos bancários.

As crianças não têm medo ou vergonha de falhar. Se não conseguem à primeira, tentam à segunda, à terceira, à quarta... Não importa, tentam as vezes que forem necessárias até conseguir, até alcançarem o seu objectivo sem se preocuparem no que os outros pensam delas. Acham que de outra forma teriam aprendido a andar ou a falar?

As crianças têm tanto, mas tanto para ensinar aos crescidos mas são os crescidos que passam a vida a tentar desinformá-las... Com as correrias, as promessas quebradas, os gritos de frustração pela vidinha medíocre ...

As crianças são feitas de sonhos que inconscientemente se lhes vão negando, por fazerem lembrar os que ficaram por concretizar. Fazêmo-lo com boa intenção, para que não sofram desilusões, dizemos a nós próprios, mas vamos moldando as crianças à nossa imagem quando deveria ser precisamente o contrário. Deveríamos aproveitar esta dádiva da sua frescura e pureza para ressuscitar a criança que existe, reprimida, dentro de nós. Para reacender aquele ser que perdoa, que vive cada minuto ao máximo, que acredita em magia e nos pós de perlimpimpim.

As crianças vêm providas de qualidades que passamos a nossa vida adulta a perseguir. Algures no tempo fomos perdendo a magia e deixamos de ser felizes por que já não somos capazes de rir às bandeiras despregadas ou de chorar quando estamos tristes. Quando é que deixamos de ser crianças? Quando é que permitimos que nos dissessem que não vamos conseguir alcançar os nossos objectivos? Quando é que deixamos de sermos nós? Quando é que deixamos de sonhar? Quando?!

Talvez seja porque tenha tido uma infância um bocadinho atribulada (muito feliz mas um bocadinho diferente do habitual), que me fez crescer rápido ou porque tenho dormido pouco (muuuuuito pouco) esta semana (o que pode ter frito os últimos dois neurónios que ainda restavam) mas neste Dia Mundial da Criança só consigo pensar em todas as crianças cheias de sonhos que vivem em cada um de nós e em como nos fomos esquecendo delas... Vamos proporcionar-lhes um dia diferente e vivê-lo como fariam os nossos filhos? Sem manhas, mentiras ou fretes? Vá... Se vamos ser crianças temos direito a uma birrinha ou outra :P Dê-mos à nossa criança a liberdade de voltar a sonhar em ser astronauta ou bailarina. Lambuze-mo-nos num gelado gigante sem contar as calorias ou pensar nas lactoses! Corramos descalços, libertando-nos dos sapatos lindos mas desconfortáveis. Desfrutemos deste dia junto dos nossos miúdos, aprendamos com eles como é simples ser feliz. Descompliquemos e encontremos finalmente a alegria nas pequenas coisas!

Feliz dia da criança, crianças =)